Carlitos ou Charlie Chaplin

18/10/2012 21:03

Os melhores filmes de Chaplin

Em Busca do Ouro1925 é uma comédia inspirada nas tragédias que marcaram a corrida do ouro no século 19 nos Estados Unidos. Talvez o projeto mais elaborado da carreira de Chaplin, o filme traz algumas das mais famosas cenas cômicas protagonizadas pelo andarilho pobretão. Uma delas quando ele e seu parceiro de garimpo ficam presos na neve. Faminto, Big Jim começa a delirar e vê Carlitos como um suculento frango assado.

Em plena era do cinema falado, Chaplin lançou um de seus melhores filmes mudos: “Luzes da Cidade1931. Nessa comédia romântica o “pequeno vagabundo” apaixona-se por uma vendedora de flores cega e evita que um excêntrico e bêbado milionário cometa suicídio. Sua tentativa de conquistar a moça e seu divertido relacionamento com o novo amigo rico geram cenas de pastelão inesquecíveis. O filme conta com um dos mais belos finais já concebidos na sétima arte.

Tempos Modernos1936 marca o fim de Carlitos após cerca de três décadas de existência do personagem. As consequências da Grande Depressão que se seguiu à crise econômica de 1929 inspiraram Chaplin a fazer dessa comédia visual baseada em pantomima uma divertida crítica à lógica desumana do mundo do trabalho, à desigualdade, à intolerância e à pobreza.

Em 1947, Chaplin produziu “Monsieur Verdoux”, sua mais sombria comédia. Após comprar o argumento de Orson Welles, ele fez o roteiro, a direção e interpretou Verdoux, um caixa de banco charmoso e honesto, mas que durante a depressão econômica ocupa-se de casar com viúvas ricas e depois assassiná-las como forma de sobreviver. A sátira corrosiva do filme aumentou a antipatia e a desconfiança oficial em relação a Chaplin e acabou por intensificar a perseguição política a ele, que culminaria com a não renovação do seu visto de permanência nos Estados Unidos em 1952.

https://lazer.hsw.uol.com.br/charlie-chaplin1.htm

 
O personagem Carlitos
 
O personagem Carlitos foi criado por Charlie Chaplin em seu segundo filme, Corrida de Automóveis para Meninos, de 1914. O cineasta Mack Sennett pediu que Chaplin vestisse alguma coisa engraçada. O ator pensou usar calças bem grandes e sapatos enormes, uma bengala e um chapéu coco. Pensou em uma composição com elementos contraditórios: calça larga e paletó apertado, sapatos enormes e chapéu pequeno. E como Sennett havia acreditado que Chaplin fosse mais velho, resolveu usar um bigodinho para aumentar a idade, mas que não escondesse suas expressões. 
 
"Meu tipo era diferente e não se aproximava de qualquer outro que os norte-americanos conheciam", dizia Chaplin sobre seu personagem Carlitos. Monsieur Verdoux, de 1947, foi o primeiro longa metragem de Chaplin sem o personagem Carlitos.
 

·                                  1 Infância e juventude 

·                                 2 América

·                                 3 Artista pioneiro de cinema

·                                 4 Controle criativo

·                                 5 Técnicas de filmagem

·                                 6 Versatilidade

·                                 7 Era McCarthy

·                                 8 Últimos trabalhos

·                                 9 Oscars

·                                 10 Relacionamentos amorosos e casamentos

·                                 11 Filhos

·                                 12 Cavalaria

·                                 13 Morte

·                                 14 Outras controvérsias

·                                 15 Comparação com outros comediantes da época

·                                 16 Religião

·                                 17 Legado

·                                 18 Mídia

·                                 19 Filmografia

·                                 20 Referências

·                                 21 Ligações externas

 
 
 
https://pt.wikipedia.org/wiki/Charlie_Chaplin#Liga.C3.A7.C3.B5es_externas
https://guiadoscuriosos.com.br/categorias/693/1/o-personagem-carlitos.html

 

Seja sempre bem-vindo e aproveite para visitar nossas outras páginas